Search
Opinião
Rejane Romano
Os artigos editoriais são de responsabilidade de cada editor e não refletem necessariamente o posicionamento editorial da Afrobrasnews.

Um convite à intencionalidade

Não faz muito tempo que a Inteligência Artificial chegou ao ápice aqui no Brasil, e desde então, é destaque em conferências, matérias jornalísticas…

*Por Rejane Romano

 

Não faz muito tempo que a Inteligência Artificial chegou ao ápice aqui no Brasil, e desde então, é destaque em conferências, matérias jornalísticas… Muitas pessoas acessaram novos sites e até baixaram apps para testar e conhecer “a nova onda do momento”. Não foi algo mandatório, simplesmente aconteceu. Um entendimento das necessidades que a atual conjuntura exige. Para se ter uma ideia, no início, o ChatGPT era todo em inglês, e nem isso foi um fator limitante. Uma corrida para atualizar o LinkedIn com a IA tomou a cena. Nada contra. Minhas reflexões de hoje são justamente sobre isso: intencionalidade. Ela nasce da necessidade, do reconhecimento/entendimento de que algo é relevante para dedicarmos tempo e esforço para tal.

A diversidade está em pauta há alguns bons anos, ela foi fomentada e ganhou ainda mais destaque no apogeu do ESG. Políticas públicas e privadas são dialogadas nesse contexto (diga-se de passagem, até alguns retrocessos ressurgem, como a questão da união homoafetiva). Há estudos e mais estudos que apontam que sim, a diversidade é boa para os negócios.

No entanto, há “dificuldades”, e não vejo empenho similar ao exemplo que estou amadoramente tentando comparar nessas linhas. Se há uma mudança linguística com o propósito de termos uma linguagem inclusiva (todes, delu, etc.) já ouvi falas do tipo: “não consigo”. Há quem insista em atribuir o pronome masculino, ou vice-versa, mesmo diante de uma pessoa que tem nome, vestes e aparência feminina/masculina.

Na questão racial não é diferente, e são muitas as “dificuldades”. O mesmo ocorre com as expressões capacitistas, nas quais a exclusão das mesmas do vocabulário não acontecem porque algumas pessoas simplesmente “não conseguem”.

Você pode me dizer que a mudança cultural é mais complexa. Entendo. Mas, e a intencionalidade? Se entendermos a diversidade como um importante ativo para os negócios, que traz criatividade, potencial competitivo e até evita crises de reputação, entenderemos que essas tais dificuldade são apenas etapas do processo de transformação. Tal qual fazemos com tantas outras situações em nossa vida, em nosso dia a dia. A intencionalidade está em tudo, nas decisões que tomamos, e é o que nos mantém firmes no propósito. Porque “dificuldades”, que entendo como desafios, vão existir sempre. Mas, a motivação em nos fazer continuar para superá-las é a nossa resposta àquilo que consideramos de fato importante.

Se entendemos a diversidade como estratégia de negócios (como não entendê-la?), como não mergulhar nesse universo, desprendendo-nos de velhos conceitos, da cultura, por vezes intrínseca, mas que precisa atender às mudanças, às novas necessidades?

Então, a minha provocação é a você que entende a diversidade como indispensável. É um convite à intencionalidade, porque assim como para a IA, ferramentas não faltam para que você se letre, seja autônomo em suas buscas e aprenda. Algo que será vantajoso para todes.

* Foto de capa: iStock

 

  • Rejane Romano é jornalista, pós-graduada em Mídia, Informação e Cultura pela Universidade de São Paulo (USP) e atualmente é diretora de comunicação na agência DPZ.

Compartilhe!

Conteúdo relacionado

Zumbi apoia iniciativa de capelos para cabelos afro

Formandos agora poderão expressar sua identidade sem constrangimentos quanto aos cabelos

Livro O Avesso da Pele voltará às escolas de Goiás e do Paraná

Obra trata de racismo e tinha sido recolhida em março para avaliação

Inspira Ciência abre inscrição gratuita para professores de todo país

Projeto oferece atualização em Ciências

Incra reconhece terras de quilombo de mãe Bernadete

Liderança baiana foi assassinada em agosto de 2023

Morre primeiro negro a vencer o Oscar de melhor ator coadjuvante

Ator Louis Gossett Jr. morre aos 87 anos nos EUA

Léa Garcia é celebrada em exposição e vai virar documentário

Empresário Marcelo Garcia fala da preservação do legado da mãe

Deixe o seu comentário!

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Saiba mais

Navegação

Contato